Receba as nossas atualizações em seu email.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Troque o cervejão por um vinhozinho.

Seis coisas que você sempre quis saber sobre essa bebida mas tinha vergonha de perguntar ao garçom.


Eu sou da galera cervejeira, mas admito que não ouso discordar dos que dizem que almoços mais arrumadinhos, eventos com alguma frescurinha ou mesmo um happy hour com o aspones de sua empresa podem ser ótimas ocasiões para calibrar o fígado com um negocinho mais chique. No caso, um vinho. Pensando nisso, resolvi convidar Amanda Vulgh, uma brother que entende tudo do assunto (segundo ela) para beber um copinho de qualquer coisa alcoólica e me responder umas perguntinhas sobre a velha bebida. Confira abaixo:

Rof: Qualquer uva serve pra fazer um vinhozinho?

Amanda: Não. As melhores são as francesas, as alemãs e as espanholas. Os principais tipos de uvas são: Chardonnay, Riesling, Sauvignom e Tempranillo. Há mais de 5.000 tipos de uvas viníferas, mas as que servem pra fazer os bons vinhos não passam de 50.


Rof: Eu, como todo bebum da baixa ralé só conheço caneca de Cerveja, taça de Sidra e copinho de Cachaça. Como são os copos de vinho?

Amanda: RSS. As taças de vinho são sempre altas e transparentes, com hastes longa para que se possa pegá-la sem aquecer a bebida.


Rof: Tudo bem que o cara queira dar uma narigada no seu vinho e sentir aquele cheirinho exótico de... UVA. Mas alguns cheiram até a rolha; por que isso?

Amanda: Isso é muito comum, as rolhas são feitas com a casca de uma árvore chamada Sobreiro e independentemente da qualidade do vinho podem ser atacadas por fungos, isso passa um odor desagradável de mofo a bebida. Portanto, sempre dê uma “narigada” – como diz você, na rolha.


Rof: Vinho sem safra definida é coisa de pobre?

Amanda: RSS, você é uma figura... pode-se dizer que sim pois os vinhos realmente bons pertencem a safras específicas.


Rof: eu até concordo que um vinhozinho é bom quando a temperatura abaixa. Como aqui em salvador isso é coisa rara, você não prefere uma cervejinha ao invés de um vinho?

Amanda: acho que o ar-condicionado dos restaurantes resolve em parte essa questão. De qualquer forma, o indicado é que se beba os menos alcoólicos nas estações mais quentes. Mas uma cervejinha tem o seu lugar também.


Rof: Quais suas últimas palavras?

Amanda: Últimas? RSS, Deus me livre ainda tenho muito o que viver, RSS. Brincadeiras a parte agradeço pelo espaço, sou leitora assídua do blog e adoro todas as postagens, principalmente as críticas dos filmes que considero as melhores da net. Um beijo a todos os leitores e espero que esta página tenha uma vida longa, muito longa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário