Receba as nossas atualizações em seu email.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Watchmen | overdose

As adaptações de Watchmen e o declínio do império Mooreano.

Acho que qualquer fã de quadrinhos ao menos uma vez na vida já se perguntou o que realmente aconteceria se um bando de desocupados decidisse vestir fantasias coladas e sair por aí fazendo justiça com as próprias mãos. Quais seriam as merdas que isso causaria ao nosso dia dia?

Um dia Allan Moore também perdeu alguns minutos de ócio para pensar sobre o assunto e o resultado disso foi a mais premiada história em quadrinhos, considerada por muitos (inclusive eu) como a melhor de todos os tempos.

Watchmen

Watchmen foi lançada em 1985 e contava uma versão hard core da história onde os estadunidenses desceram a chibata no Vietnã, na guerra entre os dois países e ainda tinha o Nixon como presidente. Foi nesse bolo que os justiceiros mascarados conviveram na sociedade americana e tiveram os seus quinze minutos de fama. Mas na época atual o babado é diferente: a América vive com o cú na mão, na expectativa de um ataque nuclear da União soviética e os marmanjos mascarados são caçados pelo governo após a aprovação de uma lei que proíbe a ação de qualquer fantasiado. No meio dessa piração toda, Rorscharch (um super sociopata) que decide investigar o misterioso assassinato do herói aposentado conhecido como Comediante.

A 1ª vez que li Watchmen, se não me engano eu tinha uns quinze anos e já naquela época fiquei de boca aberta com o que vi, totalmente diferente de tudo da época – aliás babar ovo da HQ é chover no molhado, todo mundo sabe. Você sabe né? To nem aí se você não curte quadrinhos, se ainda não leu Watchmen está perdendo muita coisa. Mas, continuando a overdose, não foi preciso mais que três horas para devorar as doze edições da série e passar para a próxima parte.

Watchmen – o filme

Eu me considero um cara muito suspeito para falar das obras do Allan Moore e/ou do Zack Snyder; sou muito fã desses pirados por tudo o que eles representam para a Cultura Pop mundial, mas antes que todos comecem a achar que eu vou ficar aqui puxando o saco dos caras e viajando na maionese, vou pôr os pés no chão: a adaptação da HQ para as telonas é massa tudo mas fica bem longe do nível dos quadrinhos – ironicamente a insistência de Snyder em ser muito fiel ao clássico criou uns bloqueios e tal no filme. Zé, qualquer um saber que nem tudo que fica show nos quadrinhos faz algum sentido na telona – aliás o próprio Snyder adaptou tão bem essas passagens em 300... será que esqueceu como funciona o barato?

Claro que nem preciso explicar os perrengues de enquadrar doze capítulos enormes em reles 150 minutos de filme – impossível manter o nível. Mas ainda assim é um puta filmaço, com cenas delirantes de ação (com aqueles Slow que só Snyder sabe fazer), uma trilha sonora do caralho e ainda conta com a atuação inspirada de Jackie Eallie Halley como Rorscharch.

Watchmen – o completo motion comic

Quase seis horas depois do início da overdose e eu finalmente cheguei a última (e mais longa) parte. Um copo duplo de café e uma chuveirada... Pronto; lá vamos nós – ou melhor, lá vou eu...

Confesso que não foi tarefa das mais fáceis: são 330 minutos de animações toscas em Flash, narrações sem nenhuma emoção – aliás Tom Stetchschulte é o único dublador da bagaça; aja saco né? Mas o lance passa do chato ao ridículo quando Tom é forçado a afinar a voz para fazer as falas de Spectral – um negócio entre o timbre de uma sapata rouca e um travesti fanho. Assim como o filme, o roteiro fodástico de Moore salva a obra mas sem dúvida é a adaptação mais mequetrefe – nem aparece o nome de Moore nos créditos. Típica obra bastarda.

Quando fiz a overdose de Resident Evil (leia a overdose aqui), fiquei puto como o enredo vai caindo com o passar das seqüências. No caso de Watchmen a história não cai, ela é sempre a mesma, o que muda é a forma como é contada. Eu me pergunto: se para um fã já é escroto ver um trabalho despencar desse jeito, como será que se sente o criador? Coitado do Moore.

.

3 comentários:

  1. Sem deuvida nenhuma as hist´rinhas em quadrinhos sempre ficará no nosso imaginario. Muito bom as informações que você acaba de colocar para nós aqui. Um super e grande abraço pra você. Tenha um otimo final de semana.

    ResponderExcluir
  2. é muito show Watchmen (só assisti o filme).
    bjs

    ResponderExcluir
  3. é verdade quem imaginaria que um dvd quase achado no lixo por mizeros 660 pontos de uma promoçao deixaria marca registrada em um blog rsss que bom ter contribuido com vc para o blog rsss um abraço amigo

    ResponderExcluir